14 de Junho – Dia Mundial do Doador de Sangue – Junho Laranja e Junho Vermelho Conscientização sobre Anemia e Doação de Sangue

14-de-junho-dia-mundial-do-doador-de-sangue

Úlcera em Membro Inferior por Doença Falciforme

A Doença Falciforme (DF) é considerada um problema mundial de saúde pública, com predominância na população negra e elevado impacto na morbimortalidade. Estudos apontam que cerca de 5% da população mundial tem alguma doença hematológica e no Brasil cerca de 13 milhões de pessoas irão desenvolver alguma delas. Dentre as doenças hereditárias mais comuns, encontra-se o grupo das Hemoglobinopatias, que são caracterizadas por um comprometimento nos genes responsáveis pela síntese da globina. Destas, a Doença Falciforme é considerada a mais prevalente em todo país, acometendo cerca de dois milhões de pessoas.

A DF é definida como uma mutação genética na qual a molécula da Hemoglobina A (HbA) dá espaço a Hemoglobina mutante S (HbS) ocasionando assim, uma mudança em sua estrutura, transformando a hemácia no formato de “foice” ou “meia-lua”. Na sua fisiopatologia é uma doença que ocasiona uma vasculopatia crônica na qual a destruição precoce dos glóbulos vermelhos causa anemia crônica. Os fenômenos vaso-oclusivos e a hemólise são as características clínicas da DF.

As úlceras de membros inferiores (MMII) são as manifestações cutâneas mais comuns na DF 2 e podem ser incapacitantes. Acometem pessoas jovens, a partir dos 20 anos, apresentando dor intensa, crônica e contínua; e possuem altas taxas de recorrência. 4, 5. No Brasil, a prevalência dessas úlceras é em torno de 20% das pessoas com DF.

A patogênese da úlcera de MMII na DF não é completamente esclarecida e parece ser multifatorial. Estudos sobre a mudança no volume de sangue no tornozelo, durante o exercício físico, mostrou tempos de enchimento venoso mais curtos em pessoas com DF e os tempos foram ainda mais reduzidos em pessoas com úlceras por DF, fortalecendo a teoria que a insuficiência de válvulas venosas que drenam a região do tornozelo e a elevação constante da pressão venosa contribuem para a cicatrização lenta e o possível início das úlceras na DF. Isso porque a precipitação intravascular das hemácias resulta em vaso-oclusão, disfunção endotelial, hipercoagulabilidade, inflamação crônica e lesão tecidual isquêmica. Ocorre hemólise intravascular, que permite que a hemoglobina livre sequestre o óxido nítrico (ON), reduzindo sua ação vasodilatadora sobre o endotélio vascular e, assim, intensificando a vasoconstrição crônica, a hipóxia e a dor. Estudos recentes têm avaliado o papel do ON na DF, sendo observada uma redução dessa substância durante as complicações.

Estudos no Brasil detectaram níveis aumentados de Interleucina em pessoas com DF e úlceras, enfatizando o papel da inflamação na patogênese dessas lesões e sugerindo que essa citocina pode ser considerada como um marcador de mau prognóstico. Como a cura é lenta e demora meses ou anos, a infecção bacteriana secundária é quase inevitável, e como a cicatriz resultante tem uma baixa resistência a tração e a má perfusão devido à vasculopatia cutânea, culmina em maior risco de recidiva.

As características clínicas são: dor no local, limites bem definidos e bordas elevadas, lembrando perfurações, o leito da lesão é revestido com tecido de granulação, por vezes recoberto por esfacelo amarelado; eventualmente, algumas pequenas úlceras aparecem simultaneamente e coalescem, formando uma lesão maior; edema da extremidade afetada; a pele peri-ulceração pode ser hipo ou hiperpigmentada, localização na grande maioria ao redor dos maléolos medial ou lateral. No exame físico geralmente revela hemossiderose cutânea, dermatoesclerose e proeminência das veias superficiais e as úlceras pioram em posição ortostática e melhorarem com o repouso e com o uso de terapia compressiva.

Importante ressaltar que o tratamento deve considerar uma abordagem integral para redução dos impactos físicos e psíquicos. As diretrizes, baseadas em evidências científicas, são escassas. Assim, os profissionais de saúde baseiam-se em revisões críticas da literatura e na experiência pessoal e clínica para a definição das condutas de tratamento das úlceras. Uma abordagem multidisciplinar é essencial, com acompanhamento próximo de hematologista, cirurgião vascular, angiologista, dermatologista, enfermeiro, nutricionista e psicólogo. Dessa maneira, o estomaterapeuta tem um papel fundamental na condução do tratamento e na prevenção de recidivas.

Roseanne Montargil Rocha

Roseanne Montargil Rocha

Docente plena da Universidade Estadual de Santa Cruz -UESC

Enfermeira estomaterapeuta

Membro do conselho científico da SOBEST

Pesquisadora em Doença Falciforme

Vice-Presidente da ONG Unidos pelo Diabetes -UPD

Referências:

1. LOPES, W. S.L.; GOMES, R. A participação dos conviventes com a doença falciforme na atenção à saúde: um estudo bibliográfico. Ciência & Saúde Coletiva [online]. v. 25, n. 8 Acesso em: 20 maio 2020, pp. 3239-3250.

2. Altman IA, Kleinfelder RE, Quigley JG, Ennis WJ, Minniti CP. A treatment algorithm to identify therapeutic approaches for leg ulcers in patients with sickle cell disease. Int Wound J. 2016;13(6):1315- 24. http://dx.doi.org/10.1111/iwj.12522. PMid:26537664.

3. Minniti CP, Eckman J, Sebastiani P, Steinberg MH, Ballas SK. Leg Ulcers in Sickle Cell Disease. Am J Hematol. 2010;85(10):831-3. http://dx.doi.org/10.1002/ajh.21838. PMid:20872960.

4. Aldallal SM. Mini review: leg ulcers – a secondary complication of sickle cell disease. Int J Gen Med. 2019;12:279-82. http://dx.doi. org/10.2147/IJGM.S217369. PMid:31496786.

5. Umeh NI, Ajegba B, Buscetta AJ, Abdallah KE, Minniti CP, Bonham VL. The psychosocial impact of leg ulcers in patients with sickle cell disease: I don’t want them to know my little secret. PLoS One. 2017;12(10):e0186270. http://dx.doi.org/10.1371/journal. pone.0186270. PMid:29045487.

6. Meneses JVL, Ribeiro IIF, Guedes A, et al. Úlceras maleolares em portadores de anemia falciforme: manejo clínico e operatório. Gaz. Med. 2010;80(3):89-94

7. Serjeant GR, Serjeant BE, Mohan JS, Clare A. Leg ulceration in sickle cell disease: medieval medicine in a modern world. Hematol Oncol Clin North Am. 2005;19(5):943-56. http://dx.doi.org/10.1016/j. hoc.2005.08.005. PMid:16214654.

8. Antwi-Boasiako C, Campbell AD. Low Nitric oxide level is implicated in sickle cell disease and its complications in Ghana. Vasc Health Risk Manag. 2018;14:199-204. http://dx.doi.org/10.2147/VHRM. S163228. PMid:30233199.

9. Domingos IF, Pereira-Martins DA, Sobreira MJVC, et al. High Levels of Proinflammatory Cytokines IL-6 and IL-8 are associated with a poor clinical outcome in sickle cell anemia. Ann Hematol. 2020;99(5):947-53. http://dx.doi.org/10.1007/s00277-020-03978-8. PMid:32140892.

10. Minniti CP, Kato GJ. How we treat sickle cell patients with leg ulcers. Am J Hematol. 2016;91(1):22-30. http://dx.doi.org/10.1002/ ajh.24134. PMid:26257201.

pt_BRPortuguese

Armazenamos dados temporariamente para melhorar a sua experiência de navegação. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Saiba mais acessando nossa Política de Privacidade.